Tag - mindset

Não deixe o crítico sabotar o seu potencial.

Grande parte dos profissionais possui clareza de que tem pontos fortes e pontos a desenvolver. Com isso, a sua maneira, buscam o desenvolvimento de plano de ação para que isto não prejudique a sua carreira. Contudo, alguns profissionais possuem muita dificuldade de reconhecer seu bom trabalho, acreditando que sempre precisam crescer ainda mais e aquilo que deveria ser uma melhoria contínua passa a ser um sabotador crítico detonando o seu potencial.

Segundo Shirzad Chamine, autor do livro Inteligência Positiva, todos nós temos um sabotador crítico, ou seja, todos temos aquele dedo apontando para si, dizendo que não é bom suficiente.

Um sabotador é um mecanismo, muitas vezes inconsciente, que possui a função de nos proteger. Ele cria como um alerta para te sinalizar algo que pode vir a ser um desafio, mas muitas vezes, internalizamos, como algo 5x mais desafiador, nos amedrontando ou simplesmente paralisando.

O sabotador crítico nos sinaliza que podemos sempre continuar numa crescente, porém, podemos não valorizar as pequenas conquistas diárias e nunca podemos curtir ou simplesmente relaxar.

Esperamos sempre o big break, ou seja, um grande acontecimento para, aí sim, reconhecermos nosso bom desempenho e quando algo sai errado, elevamos a régua e nos culpamos, achando que é o fim do mundo.

A sacada é que devemos, sim, pensar na meta maior, mas no dia a dia devemos focar no processo, nos pequenos passos e precisamos ter protagonismo e resiliência para numa era exponencial que vivemos, onde tudo muda a cada dia, nos adaptar aos desafios.

Algumas dicas para você não deixar seu sabotador crítico detonar seu potencial:

  • Reconheça o seu bom desempenho nas pequenas atividades diárias. Não importa que é um relatório que você faz sempre, por exemplo. Valorize cada etapa onde tem a oportunidade de colocar em prática algo que você faz bem;
  • Resgate na sua história os momentos que sente orgulho. Faça uma linha do tempo com todos os pontos de sua vida pessoal e profissional onde conseguiu superar um desafio ou crescer com sua atitude;
  • Peça feedback para as pessoas sobre a transformação positiva que você causa na vida delas. As pessoas se conectam contigo por algo que você tem de único. Esteja aberto para esta troca;
  • Busque aprender com o erro, pois ele é uma grande oportunidade de gerar protagonismo. Mais do que se conectar com o erro é buscar soluções práticas para entrar em ação;
  • Curta a jornada. Confie que nem tudo está no seu controle e você dá o seu melhor. Tenha momentos onde possa celebrar e se divertir, assim tudo fluirá com mais clareza.
  • Busque canalizar esta energia do crítico em momentos prazerosos como fazer exercícios, estar com pessoas que ama e te fazem bem. Esta troca te retroalimenta para seguir adiante.
  • Confie no potencial de fazer a diferença. Quando damos nosso melhor com protagonismo, alinhado ao que acreditamos, nossos resultados crescem ainda mais.

Curtiu este post? Compartilhe com sua rede.

Como superar os erros e virar o jogo.

Não é fácil encarar um feedback negativo, um erro ou derrota. Você pode até ter dado o seu melhor, variáveis externas terem influenciado seu resultado, mas a outra parte avaliou que não foi o suficiente para atingir uma meta.

Bate uma sensação de frustração, tristeza, uma culpa gigante onde seu lado crítico, adora apontar tudo aquilo que deixou de fazer. O corpo e o emocional sentem e você fica mal.

O que fazer diante deste cenário? Como virar o jogo?

O primeiro passo é encarar o erro como aprendizado. É fácil? Não, mas esta é a diferença das pessoas que fazem acontecer e superam os desafios de cabeça erguida.

A sua forma de encarar o momento e, principalmente, sua performance irá determinar sua próxima atitude e ação.

Pare de se culpar e avalie que para aquele momento, deu o seu melhor. Colha as lições aprendidas e onde pode ajustar para vencer o que possivelmente, pode te levar para o erro novamente.

O ponto de virada está na maneira como enxerga o seu desempenho. Se você achar que não é capaz de vencer, já está determinando o seu resultado.

Para tal são essenciais 2 pontos importantes: a resiliência e o mindset de crescimento.

A resiliência é a capacidade de adaptação a mudanças, de superação de obstáculos e a resistência à pressão diante de situações adversas.

Vivemos num mundo em constante mudanças e se você não se adaptar, adquirir novas habilidades e forma de se posicionar, ficará neste ciclo vicioso de erro como fracasso e sinal de incapacidade.

Por isso, o mindset de crescimento é tão importante. Evite olhar o seu momento atual como o fim do túnel. Encare como a oportunidade de ficar mais forte, adquirir mais conhecimentos para sua caixa de ferramentas. Ajuste sua performance e foco para virar o jogo.

Saia da zona de conforto, busque novas maneiras de fazer este objetivo dar certo. Visualize outros exemplos na sua história de sucesso, onde utilizou seus talentos e fez acontecer. Isto reforça significativamente sua capacidade de vencer.

Observe e valorize o passo a passo na direção certa. Estas pequenas ações na sua jornada te guiam para o sucesso.

Tem uma frase de Thomas Edison que diz: “Eu não falhei. Apenas descobri 10 mil maneiras que não funcionam”.

Os conflitos e desafios são excelentes maneiras de você crescer e amadurecer. Está nas suas mãos transformá-los em situações destrutivas ou construtivas. Faça valer a pena.

Curtiu este post? Deixe seu comentário.

O quanto você compartilha seus aprendizados e conhecimentos? Confira este artigo. Clique Aqui.

Pare de guardar SPAM Mental.

Quando gerenciamos e-mails, um ponto que incomoda a maioria das pessoas é a quantidade de lixo eletrônico que você recebe. Toda semana você limpa e quando menos espera, eles estão de volta.

Assim como um e-mail, você guarda na sua mente um monte de spam que só ocupam espaço e não te ajudam em nada. Porém a diferença é que, muitas vezes, gostamos de guardar, alimentar e transferir para a caixa de entrada que demanda mais foco, energia e atenção.

E eles adoram, pois passam de desconhecidos para atores principais, detonando sua motivação, autoconfiança e ação.

Medos, insegurança, dúvidas sobre sua capacidade de realização, entre outros. Mas sabemos que não é tão simples assim de jogar fora.

Você precisa compreender o que gera este medo e demais situações. Desta forma, pode trabalhar potencializando suas forças, diminuindo assim a intensidade do spam mental.

Se você apenas coloca para fora, sem o conhecer, ele pode voltar com força e te controlar.

Compreender o que sente, gera e é a causa raiz pode te dar clareza para gerenciar suas atitudes e respostas frente aos desafios.

Eles normalmente podem aparecer quando você é desafiado a sair da sua zona de conforto e ir além. Temos um receio enorme de perder algo como espaço, contatos, entre outras coisas. Não mudamos para continuar com este ganho secundário. Portanto para lidar com este spam mental é preciso de autoconhecimento, para aprender a nomear, ressignificar e desenhar novos padrões mentais e atitudes.

Agora o que não pode é você dar espaço para a entrada deste lixo mental, não fazer nada para mudar, ficando inerte e insatisfeito consigo. Vira um ciclo, um padrão automático de autodestruição.

É preciso persistência consigo e uma vontade enorme de ser ainda melhor.

Descobrir o seu potencial será fundamental para gerar autoestima, segurança e foco para fazer acontecer. Quando conectamos nossa caixa de ferramentas a um propósito, abrimos um espaço gigantesco de possibilidades e conexões.

Você verá que não terá mais espaço para o spam ou caso ele entre, perderá sua força e indo embora. Afinal as escolhas estarão nas suas mãos com autoresponsabilidade e consciência.

Chega de spam mental!!!

Curtiu este post? Compartilhe com sua rede.

Será que você não está dando um tiro no pé na sua carreira? Confira este artigo. Clique Aqui.

Pare de competir e comece a compartilhar!

Você trabalha em diversas empresas e conhece muitas pessoas, porém quando te perguntam: Como é a sua rede de networking? A resposta é: xiiii, é péssima! Sou muito fraco nesta habilidade.

Mas você se conecta diariamente com as pessoas onde passa a maior parte do seu tempo, como pode? Pois é, acaba não sobrando tempo para isso.

Será? O ponto é tempo, jeito ou o foco e forma que você constrói seus relacionamentos?

Muitos profissionais interagem com seus colegas, mas de uma forma direcionada à atividade e projeto que desenvolve. Troca entre as áreas para resolver problemas, apagar incêndios, se esquecendo de inúmeras possibilidades de crescimento e ajuda mútua. Forma uma pequena rede com seus colegas com que sempre almoça ou cai sempre nos mesmos assuntos na sua comunicação.

Existe uma competitividade entre pares, áreas que impedem, algumas vezes, o engajamento, integração e desenvolvimento como um todo.

Não se pode generalizar, mas existe no mercado em geral, uma dificuldade de reconhecer o trabalho do outro, como se fazê-lo é sinal que você é inferior, incapaz e está perdendo algo. O resultado é um olhar, mesmo que inconsciente, de rivalidade, de competição, de falta de conexão.

Vivemos numa rede de escassez e desta forma, não compartilhamos experiências, não pedimos ajuda por acharmos que não há espaço para todos.

Precisamos mudar o mindset do profissional e empreendedor se queremos realmente negócios e carreiras prósperas.

No Vale do Silício, um dos maiores polos de inovação do mundo, há uma cultura muito forte de troca, conexão autêntica. Um exemplo é ouvir nos cafés, espaços de trabalhos, empresas: Como posso te ajudar? Sem nem ao menos, a pessoa te conhecer profundamente.

Quando pensamos que ao apoiar o outro, você também se fortalece, você abre um vasto caminho de conexão, parceria, mentoria, networking e resultados.

Todos precisamos de ajuda e quebrar as crenças da competitividade ou que irá incomodar, dá uma enorme liberdade e leveza para encontrar soluções.

Na minha experiência profissional como RH, ouvi de muitos gestores e colegas que não poderíamos pedir ajuda, que tínhamos de ter sempre as respostas. Senti muita falta de apoio das pessoas, por não olharem o todo e ficarem apenas no seu mundo, nas suas necessidades, como se existem várias empresas dentro de uma. Eu mesma, também acabava olhando apenas para minhas necessidades sem empatia com as pessoas.

Como empreendedora, também tive muita dificuldade de me conectar com as pessoas, uma vez que como coach deveria atender tudo e não dar espaço para o outro. Grande bobagem. Ao elogiar o trabalho do outro, ao indicar o quanto a pessoa pode crescer com aquele profissional, poderia focar ainda mais nas minhas paixões e propósito. Estava fechada, com um olhar de escassez, numa visão de mundo de competitividade e pouca conexão.

Percebi que precisava mudar. Minhas atitudes criavam mais barreiras do que pontes. Tive de mergulhar na minha história, nas minhas verdades e crenças e mudar esta lente de mundo. Aprendi o poder da troca, de pedir ajuda e de ajudar. Minha rede de networking cresceu, me desenvolvi como profissional, empreendedora e pessoa.

Tem uma frase que diz: “Quando a maré sobe todos os barcos sobem juntos”. Se você apoia o outro a crescer, você cresce ainda mais. Pare de competir, comece a compartilhar para potencializar seus resultados; caso contrário, ficará sozinho.

A Síndrome do Sabe Tudo: Atenção, você faz sem perceber!

Não importa a sua geração, cargo ou propósito, você absorve informações e gera aprendizados com suas experiências pessoais e profissionais. Porém, a sua atitude frente ao seu momento atual com sua base ou melhor, caixa de ferramentas, pode fazer com que queira ter um olhar mais crítico sobre as coisas, querer compartilhar o que conhece; mas pode fazê-lo de uma forma totalmente errônea.

A sua atitude pode torná-lo intolerante, excessivamente crítico a ponto de prejudicar sua conexão com as pessoas e o pior cenário: perder sua essência e autenticidade.

Talvez você não se dê conta, mas tem a síndrome do sabe tudo.

Você acha que as pessoas não fazem diferente porque não querem, sem compreender a fundo o que se passa, julga de forma irônica e agressiva ou sai querendo resolver dando caminhos, se esquecendo que do outro lado há uma pessoa com livre arbítrio, vontades e emoções.

Ao invés de se conectar com o outro, fere pontos essenciais da empatia: compete com o outro, não aprende com ele, se coloca num patamar superior, julga usando rótulos sem notar os conflitos que surgem; resultando em discussões ou afastando as pessoas.

A síndrome do sabe tudo tem como pilar as suas crenças e julgamentos, pois com sua verdade formada internamente, coloca uns óculos para enxergar a sua realidade, mas não percebe que os outros também possuem suas realidades. Acaba através do juízo de valor e não real, não se conectando e utilizando o que pode agregar com seus conhecimentos para as pessoas.

Se esquece do principal: será que de fato pratica a fundo o que julga e fala que faz ou se sabota com a camada protetora não olhando para a real verdade por trás da casca de sabe tudo?

Não mostrar sua vulnerabilidade, não querer perder a razão, controle, espaço e afeto são alguns dos fatores que sabotam o sabe tudo, entre outros.

A mudança pode ocorrer a qualquer momento, quando você se coloca como um aprendiz, mesmo diante de assuntos que já conhece. Até porque pode gerar novos insights e reflexões.

Tem uma frase de Klauss Vianna, coreógrafo e bailarino que dizia aos seus alunos: Façam a aula que já conhecem de outro lugar da sala, desta forma, pode ter uma nova visão do espaço e melhorar ainda mais sua performance.

Deixo aqui esta reflexão para que utilize seus talentos para crescer, inspirar e transformar. Conexões profundas e mais autênticas seguem caminhos da troca e da simplicidade.

Curtiu este post? Que tal mudar sua configuração mental? Leia agora!

Quer gerar mais protagonismo em ação? Faça Coaching!! Conheça a Make Different, empresa de soluções de desenvolvimento profissional de Aline Gomes. Clique Aqui.

Mude sua Configuração Mental.

Para escrever uma nova história na sua carreira, você precisa direcionar suas atitudes na direção de seus objetivos. Mas como fazer isto dar certo?

Responda as seguintes perguntas para autoconhecimento:

  • Você acredita que tem potencial para assumir uma posição de destaque?
  • Quando observa o contexto atual, visualiza caminhos para fazer a diferença?
  • Para a sua carreira decolar, você precisa que outras pessoas, empresa, gestor façam a sua parte ou é você quem precisa transformar a sua realidade?

O seu mindset determina o seu sucesso!

Você sabe o que é mindset? É a sua configuração mental. A forma como você enxerga o mundo é que vai comandar as suas ações e resultados.

Se você encara os seus comportamentos como a síndrome do: eu nasci assim, eu cresci assim, vou ser sempre assim; o resultado será nada mudar.

Você nota que sua atitude o leva sempre aos mesmos lugares até pela sua zona de conforto, então é sinal que a sua forma de encarar a realidade está prejudicando o seu sucesso. Precisa mudar seu mindset; a não ser que você queira ficar como está, então tudo bem.

Caso contrário, você precisa avaliar profundamente suas crenças, ou melhor, as verdades que acredita sobre você, sua carreira e mundo à sua volta.

A sua configuração mental pode mudar, uma vez que temos a neuroplasticidade. Nosso cérebro tem a capacidade de se transformar com estímulos constantes.

Portanto, para começar a gerar resultados positivos na sua carreira, seguem algumas dicas:

  • Reconheça seus pontos fortes e valorize suas atitudes. Tem dúvidas sobre o que faz bem? Peça feedback!
  • Observe sua história e veja seus momentos de orgulho. Verá seu sucesso e mindset fortalecedor em situações que já superou. Pode se sentir mais forte do que pensa.
  • Construa hábitos que te preencham de disposição. Networking, cursos, atividade física, autoconhecimento, entre outras. Eleve sua energia e coloque-se em movimento. Gera novas ideias.
  • Tenha uma meta clara que queira muito alcançar, assim não perderá tempo com seu crítico sabotador.
  • Pare agora de ver o mundo como um campo de combate. Aqui é uma escola para aprendizados e evolução.

Para o sucesso profissional se tornar realidade, você precisa assumir a responsabilidade de sua carreira. Não espere pelos outros para fazer acontecer. Crie suas próprias metas e busque pelo seu desenvolvimento.

Obstáculos são oportunidades de te elevar, portanto configure sua mente para enxergar sua grandiosidade. Você entrar em ação com assertividade e seus resultados serão cada vez mais surpreendentes.

Curtiu este post? Compartilhe!!

A força de um fracasso.

Levante a mão quem nunca desistiu de algo diante de um fracasso. Dói somente de ler a palavra, repleta de negatividade.

Errar, se dar conta que algo não saiu conforme o esperado, gera muita frustração e aciona a força do seu crítico interno.

Se não deu certo é porque não sou bom o suficiente ou merecedor. Conforme alimentamos estas crenças negativas, não percebemos que reforçamos um ciclo vicioso de não aprendizado e trava a evolução. Seus resultados vão cair e sua motivação também.

É desafiador quebrar este padrão, mas é diante de uma mudança de programação mental ou o que chamamos de mindset, que sua performance e resultados mudam completamente.

O primeiro ponto é você avaliar, qual a forma que enxerga o mundo. O que passa pela sua retina? Que tudo é mais difícil e erros são derrotas e sinais de não seguir adiante?

O segundo ponto é ressignificar o peso das coisas. O fracasso é algo sempre ruim, mas que tal mudar o significado para a oportunidade aprender e crescer ainda mais?

Quando encaramos o fracasso como um ajuste de percurso, muda toda a nossa programação mental. Dá mais leveza e abre-se o leque de possibilidades.

Após ressignificar, você precisa mapear no que é bom, os seus pontos fortes. Se autoconhecer te permite enxergar com clareza os seus motivadores e propósitos. O fracasso não será o ponto final, se você tiver uma meta forte que te mova. Se você quer muito alcançar um objetivo, um erro é apenas um sinal de algo que pode ser feito ainda melhor.

Muitas vezes, o fracasso é a mola que vai te impulsionar para o sucesso, é a virada de chave. Veja grandes nomes como Oprah, Walt Disney, Silvio Santos e outros tantos que estão perto de você. Que diante de um fracasso, encarou o desafio de frente, com a cabeça erguida e superou o seu maior obstáculo: a si mesmo.

O fracasso terá uma força que será definida de acordo com a sua visão de mundo e pode te paralisar ou mover. Para que tenha uma força positiva, seguem algumas dicas:

  1. Lembre-se de suas histórias de sucesso e superação. Você é seu maior exemplo;
  2. Troque o reclamar pelo agir. A ação gera os aprendizados e ajustes necessários para chegar mais perto do seu objetivo;
  3. Acredite que vai conseguir! Seja otimista e se visualize na conquista do que deseja;
  4. Encare o feedback como um aliado. Esteja aberto para melhorias;
  5. Diante de algo que o tire da sua zona de conforto, reforce internamente os seus talentos e que os desafios são possibilidades de atingir um novo patamar. Se chegou até você é porque está pronto!;
  6. Persistência! Sem vigilância e determinação, não vai persistir. Como diz a Dory, do filme Nemo: Continue a Nadar!

Curtiu este post? Deixe seu comentário! 🙂